quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Sabrinas Encarnadas

Lembro-me de ser muito-mini-piti-pikinina e passar muito tempo em hospitais.
Ora com crises de asma sistemáticas (que de tão periódicas já era conhecida),
ora com surtos próprios da idade.
Recordo-me de à minha cabeceira, ter sempre 2 rostos: o meu Pai e a minha Mãe.
Que me davam a mão, afagavam o cabelo e me transmitiam calma,
quando eles próprios estavam com muito receio.

Tinha sensivelmente 6 anos quando me foi diagnosticada uma meningite linfocitária
 [com aquela idade pronunciava a patologia perfeitamente, e explicava o que era!]
 tardiamente, e depois de muita negligência médica.
Corri meio mundo de especialistas,
que não conseguiam decifrar o meu sistema imunitário e diziam que se tratava ,
apenas ,de excesso de mimo.
O excesso-de-mimo (como simpaticamente lhe chamaram),
meteu-me na Unidade Infecto-Contagiosa do Hospital D. Estefânia
durante mais de um mês, isolada, sem poder receber visitas.

Nos primeiros dias via os meus pais pelo vidro,
e só dias depois me começaram a visitar cheios de "batas e máscaras verdes".
Lembro-me de ouvir conversas entre enfermeiras e médicos,
 que entre-dentes diziam que eu não ía sobreviver.

Lembro-me de ver isso espelhado nos olhos dos meus pais,
que me sorriam,animavam e levavam presentes como-se-o-mundo-fosse-acabar.
Barriguitas, Pinypon's, Barbies... tudo novo!
Cada visita era uma surpresa diferente.

Achava todos aqueles presentes um exagero, mas só depois vim a perceber,
que tudo o que entrava naquela unidade, já não saía.


Lembro-me de chorar, muito, à noite,
sozinha e de pensar que ía morrer, mesmo sem perceber bem o que isso era.
Tinha os braços desfeitos... tanto, que as enfermeiras tinham dificuldade em arranjar pele para me administrarem injecções, de tanto catéter e medicação levar.
Da escola, vinham desenhos e postais dos colegas...

Um dia, e subitamente, sem que nada o fizesse prever, comecei a melhorar.
Do meu pediatra, guardo uma saudade e um carinho especiais,
que hoje sinto na Drª MLB (pediatra do Martim)...
de me ir visitar, de me dar a mão e dizer que logo, logo ía ficar boa!
(Há uns anos encontrei-o ,enquanto fazia voluntariado na Estefânia, e passados uns 10 anos da última vez que nos tinhamos visto, reconheceu-me logo!)

No dia em que tive alta... na sala de espera estava montada uma Festa:
Balões, roupa nova e sapatos novos.
Umas sabrinas encarnadas , que me lembro como se fosse hoje!
Os meus pais e a minha querida Tia Rosa (mãe da Carolina)...
Bem tentaram disfarçar, mas choraram que eu vi.

Anos depois os meus pais contaram-me que, na altura,
 lhes disseram para se preparem para o pior.
Há nome para quem perde os maridos (viúva),
para quem perde os pais (orfão),
mas existirá palavra para quem perde os filhos?!?

Há 3 noites que não durmo... também eu, sigo o exemplo dos meus Pais: seguro-lhe na mão e sorrio...
Essa foi ,sem dúvida, a maior lição de "parenting" que os meus pai me deram.

14 comentários:

Rita disse...

Tem calma...otite, apesar de má, passa e hoje em dia as coisas sao diferentes. Eu tive na mesma situaçao que tu, tive uma meningite, nao sei o nome e nao me recordo de qual era, mas sei que era das piores e que o filho de um amigo da minha mae, com uma meningite mais leve que a minha, morreu...é triste a negliegencia media que se viveu, mas hoje acredito que as coisas estao melhores. Eu tive sorte, assim como tu, pois os meus pais passaram por hospitais e hospitais,todos diziam que era miminho, quando eu so queria colinho e dormir...nao era normal...febres que nao baixavam, enfim. A sorte, este no pediatra mais ruim que a minha mae odiava, porque a tratava mal e so gostava do meu pai (ui...) mas ele, pegou em mim e soube o que fazer...e disse logo, corram com ela para a estefania. deu uma carta fexada e nao deixou os meus pais abrirem...tambem os prepararam para o pior,fiquei igualmente um mes internada e de tanto me darem injecçoes, ja só me encontravam veias na cabeça...enfim...tudo isto para dizer que sao situaçoes do passado e que acredito que hoje em dia, as coisas ja nao seja assim...alias, a minha filha, ate hoje nunca teve nada, nem febre, mas teve uma otite (sem febre) e a primeira coisa que a pediatra dela fez, foi despiste de meningite...axo que hoje em dia estamos bem preparados e quero acreditar que assim seja.
Enfim...tal como tu, tambem aprendi essa liçao...sempre que a minha filha está mais murxinha ou nao dorme, eu estou lá para lhe cantar, acalmar, mimar. E é tão bom, nao é? *

Starfish disse...

Olá Rita!

A minha situação foi em tudo similar à tua... até a cartinha fechada! ;)

Não estou apreensiva, até porque a situação do Martim está, certamente associada ao nascimento dos dentes.
Não dramatizo!

O post foi mesmo mais focado no último parágrafo!
;)

*

eu disse...

Nem consigo comentar...estou aqui no trab cheia de lágrimas nos olhos.
(tb estive na unidade infecto.contagiosos, ja em adulta, tb durante um mês, passei la o Natal...não consigo imaginar como seria uma criança)
BJS GDS e as melhoras do nosso Menino do Mar.

Starfish disse...

Eu,
Opá,mas hoje anda toda a gente sensível?!? Aiiiiiiiii
ÂNIMO! ;)
O Natal então, nem quero imaginar, eu passei lá "férias" no verão!

Beijo grande e Obrigada...

Rita disse...

Ahh, claro que nao está associado, credos. Mas imagino que te tenha levado a recordar esses momentos mais angustiantes. A mim fez o mesmo. Devem estar realmente a nascerem 30 dentes ao teu bebe, tadinho...beijinho *

Starfish disse...

Rita,
Agora é o 30 dentes!
;)

Rita disse...

Lol. Alcunha muito boa. A serio. *

Ana Pedro disse...

Epá se andamos sensíveis ou não eu não sei, mas que tive de sair da sala porque tinha os olhos cheios de lágrimas e não queria que o gajo visse, lá isso tive!

Uma história triste, mas repleta de amor...

Sim, foi uma grande lição que tiveste e, espero, um dia que quem te transmitiu esses valores veja o quão orgulhosa deles és... e que a quem os transmites, aja da mesma forma!

Venham os dentes, venham os sorrisos manchados de branco, venha tudo rápido e basem as otites e as febres que tanto atormentam os pikis...

(p.s.: eu também tive umas sabrinas vermelhas mas consegui roubar graxa ao meu avô e mudar-lhes a cor LOL)

Ana disse...

Nem consigo imaginar o q os teus pais passaram. Espero nunca passar isso com a minha Miminho.
Um beijinho grande e as melhoras do pequenote

Starfish disse...

Ana Pedro,
Já comecei o dia a rir!
Pintaste de que cor? VERDE? :)
Beijo!*

Starfish disse...

Ana,
Há 24 anos as coisas eram muito diferentes! ;)
Não vais passar por isso, com toda a certeza! ;)
*

Ana Pedro disse...

Star, na altura roubei graxa branca com que a minha avó engraxava cuidadosamente os ténis da tropa do tio... o meu castigo foi não comer pastilhas uma semana.
A avó voltou a levar ao sapateiro para ficarem novamente encarnadas e eu esfreguei-as com um esfregão de palha de aço e graxa preta para não dar hipótese ao sapateiro!

Resultado? Uma semana sem pastilhas nem baloiço!

Hard life!!!!!!

Cátia disse...

Lá que me meteste a chorar meteste...não imagino sequer o que passaste.
Apesar de passar muitas noites/dias no hospital com crises de asma que nem me deixavam andar até a sala dos raio x nadaaaa se compara ao que tu/pais passaram.

Bjinhusssssssss

As melhoras do fofinho

Rafa disse...

Sem palavras...
Só uma lagriminha aqui bem no cantinho do olho...
(nem posso pensar na remota hipotese de um dia o perder)