quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

De um mundo que não é cor-de-rosa...

Quando planeamos ter filhos, imaginamos como serão fisicamente...
se terão semelhanças connosco, se sairão ao Pai, ou outro elemento da Familia...
Se vão ser loiros/morenos, se terão olhos azuis/castanhos...
Durante 9 meses, vivimos na ansiedade de que sejam perfeitos e que nasçam cheios de saúde.
Quando eles nascem e constatamos que estão bem, passamos a imaginar como será o seu temperamento...
Se serão doceis e afáveis,  se farão birras [oh drama!],
se serão egoístas... teimosos, orgulhos...
penso que todas as mães passam por este processo, de idealizar a
"criança perfeita".
A cada dia que passa, sei precisamente a Educação e os Valores que lhe quero transmitir,
mas todos os dias me sinto indefesa,
ao ver os contornos que a nossa Sociedade teima em assumir.
Vivemos num Mundo cruel.
Acima de tudo temos de criar crianças seguras de sí,
independentes e autónomas, mas ao mesmo tempo meigas e atenciosas...
E é nesta dualidade de critérios que as pessoas se vão perdendo...
Quando exigem dos outros, aquilo que não fazem,
quando se lhes pede que sejam, aquilo que não são.
Mais do que o Menino-do-Mar venha algum dia a ser,
temo pelo que um dia farão dele.
No Mundo em que vivemos ser bom ,praticar o bem não compensa.
São os "chicos-espertos" e os "fura-bolos" que se dão bem.
Eu quero que o meu Filho se dê bem.
Mas quero acima de tudo, que seja uma pessoa integra e honesta.
Porque , como dizem do outro lado do Atlântico:
"At the end of the day, that's what really matters!"

[a propósito da podridão de gente que se vai cruzando nas nossas vidas]

5 comentários:

Sandra disse...

Tânia (desculpa mas só ontem soube que era o teu nome...sou um bocadinho distraída.. como disse á Mafalda, para mim eras simplesmente Starfish)

Como mãe de um bebinhas de 15 meses, revejo-me nas tuas palavras. Também pelo mundo que me rodeia (felizmente mais a nível profissional) vejo que o mundo vai sendo invadido pelos espertos, sem escrúpulos, desrespeitosos, e... burros. Burros porque acham que são os maiores, e eu acredito que a vida um dia os vais ensinar...

O mundo que ofereces ao teu menino do mar, á semelhança do que eu ofereço ao meu filhote, sem dúvida que não pode ser 100% controlado por nós, mas eu prefiro pensar, que um dia quando formos velhotas (daqui a muitooooooooooooooooossss anos) os nossos miúdos, vão lembrar-se da magia da cor e alegria que demos ás suas vidas (assim como nos dão o mesmo sem nada esperar em troca).
Pelo que leio no vosso blog, sinto-me um bocadinho família (espero que não leves a mal) e sem dúvida que o Martim me parece um menino muito feliz, que cresce com principios e valores, e que tenho a certeza que será um grande Homem!!!

É verdade que haverá sempre uma parte das suas vidas que não vamso controlar, que não vamos influenciar, mas... é uma parte tão pequenita, que face á grandeza dos seres que estamos a criar, naõ vai ser nada!!! ;)

Já te disse e repito, admiro as vivências que proporcionam ao menino do mar!!!
E á gentinha mal intencionada que se cruza no vosso caminho... que mordam a língua e ponham gelinho para não inchar e correrem o risco de não caber na boca.... (esta parte não deixes o Martim ler quando crescer) :P

Marta Ruivinho Figueiredo disse...

É deixares que siga ao "sabor do vento"...ou neste caso "das ondas" ;)...e sentires que deste e dás todos os dias o teu melhor, para que um dia ele possa sentir isso...
.... resta-te esperar que depois com o "tal melhor" que deste sempre por ele, ele faça disso a base para ser uma pessoa humana! O que muitas vezes faz muita falta neste planeta onde muitos se intitulam de gente...e de gente não têm nada!
Tenho a certeza que será um grande homem!
Beijinhos

*Sereia Matilde* disse...

A Matilde ainda não nasceu e eu já penso nisso muitas vezes!
As tuas palavras não podiam estar mais correctas!

Tânia (Mamã do Santiago) disse...

A mais pura das verdades...tudo o que disseste tira-me tanta vezes o sono

marigold disse...

Penso muitas vezes em coisas idênticas a estas que aqui li...mas apesar de todos os medos tenho uma certeza! Somos uma excelente geração de mães, não que as mães antes de nós não o fossem, mas pela conjuntura social em que estamos a criar os nossos filhos...sei k vai soar a conversa de sindicalista mas...nunca s ouviu tanto as palavras, precariedade, desemprego, criminalidade, FMI, corrupção, crise, violência...Creio que esta onda de mamãs, tem extrema consciência de quanto custa a vida e não falo só dos €€ ao fim do mês. Todos os dias vemos coisas atrozes através da TV e dos jornais e mesmo assim decidimos engravidar, e sem medo brindar o mundo com estes seres lindos e fragéis que sãoos nossos filhos. Com a certeza de que os educaremos para serem pessoas boas e fazer da nossa sociedade um sitío melhor!
Desculpa seme alonguei...

Beijinhos nossos