quinta-feira, 28 de abril de 2011

Mas eles nascem ensinados?

Sempre que vou levar o Martim à Avó,
há um compasso de espera.
Tenho de me certificar que está concentrado ou distraído com alguma coisa,
para que não me veja ir embora.
Mas, nem sempre é fácil.
Agora aprendeu que se ficar a dar-me abraços e beijinhos,
ou seja coladinho ao meu pescoço, a coisa corre bem para o lado dele.
Mas, há sempre aqui o factor idade, em causa.
Eu tenho 30, ele tem 1.
Assim que vê os carrinhos
[sim, agora anda sempre com uma mochila às costas CHEIA de carrinhos],
a estratégia dele, cai por terra.
Começa a alinhá-los simetricamente, e distraído, lá me consigo pirar, de fininho.
Esta manhã, a coisa não correu bem para o meu lado.
Ele estava de costas, com os carros, e eu, pé ante pé, dirigi-me para a porta da sala.
Assim que ouviu os passos veio ter comigo, abraçou-me e deu-me a mão.
Fez-me sinal para me sentar, e fechou a porta da sala.
Bem ao jeito de:
"Agora para saires vais ter de fazer barulho, e eu vou apanhar-te!"
Pois, meu querido filho, mas não sabias tu que quando a Ávó te diz que vai fazer café,
está a a dar o sinal, para que eu sorrateiramente escape ,pela porta da cozinha,
enquanto tu te delicias a ajudá-la.
Mãe 1-0 Martim.
;)

1 comentário:

Mãe Feijoca disse...

eles sabem bem mais do que nós pensamos... são uns ratinhos!